domingo, 5 de março de 2017

São Fidélis ganha salas de cinema em 2D e 3D




Após muitas décadas, São Fidélis voltará a ter um cinema. É o que diz o secretário de Cultura da nova gestão, Ely Corrêa, que promete dar andamento ao projeto da implantação de duas salas de cinema no bairro Vila dos Coroados, iniciado pela gestão anterior, em parceria com o Governo do Estado, mas que não saiu do papel. De acordo com o secretário, já está fechado o convênio para a viabilização. O próximo passo é resolver a parte burocrática.

“Praticamente não tivemos transição. Neste início de trabalho, estamos nos encontrando dentro da realidade atual. Muitos documentos estavam engavetados. Então, primeiro, estamos dando andamento nisso tudo, com termos de compromisso, de posse, toda a burocracia. Existem empecilhos, mas temos boa relação com a secretaria de Estado. Do papel, eu tenho certeza que vai sair”, disse Ely Corrêa, que faz sua quarta passagem no comando da secretaria. As duas primeiras aconteceram em gestões do ex-prefeito Davi Loureiro, que faz parte do grupo de governo do atual prefeito Amarildo Alcântara.



O projeto “Cinema na cidade” é concebido pela Agência Nacional do Cinema (Ancine), vinculada ao Ministério da Cultura, que visa construir e reformar salas de cinema em cidades que tenham de 20 a 100 mil habitantes. Os objetivos são: apoiar a expansão e a digitalização do parque exibidor; ampliar o alcance estadual dos equipamentos culturais; e facilitar o acesso da população às obras audiovisuais.

Um dos primeiros municípios a ser incluído no projeto, São Fidélis receberá uma sala em 2D, com 74 lugares, e outra com tecnologia 3D, com capacidade para 92 pessoas, em um terreno ao lado do ginásio poliesportivo Roberto Petrucelli, mais conhecido como “Tancredão”. Inicialmente, o empreendimento foi orçado em R$ 4.315.200,00. O processo licitatório para início das obras deverá começar ainda no primeiro semestre deste ano. Uma empresa registrada na Ancine será contratada para a gestão do cinema, por meio de seleção pública. “São Fidélis vai ter realmente um cinema. Os filmes exibidos serão os que estiverem em cartaz nos grandes cinemas da região, com preço acessível para a população”, enfatizou o secretário.

Outra proposta da cultura fidelense é a revitalização do Cine Teatro Jayme Coelho. Antes usado para apresentações teatrais e de dança, exibição de filmes, entre outros atrativos, o local atualmente encontra-se desativado. Já foi obtida verba para a compra de novos equipamentos através do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Cultural dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro (Padec). “Pretendemos fazer do Cine Teatro uma sala de multimídia, até mesmo para reuniões, convenções”, disse Ely.

Há também as ideias de construção de um teatro de bolso e de um museu ferroviário. Da gestão anterior, poucos projetos culturais devem ser mantidos. Um deles é a feira de livros da Semana Cultural, realizada anualmente junto à Associação Brasileira do Livro. “Vamos trabalhar sempre em parcerias. No caso da feira, há interesse em dar continuidade. Foi um projeto bom, que deu certo, mas ainda assim precisamos rever algumas coisas”, comentou o secretário, que também pretende reforçar os eventos que valorizem a “Cidade Poema”, terra que revelou o poeta Antônio Roberto, começando pela Festa do Padroeiro, em abril.

Atualmente, o São Fidélis encontra-se em situação de calamidade financeira. Por conta disso, não houve programação carnavalesca oficial na cidade. Até aconteceram alguns blocos, realizados pela população, sem apoio público. Há a possibilidade de que aconteça um Carnaval fora de época, em data ainda indefinida. A ideia já foi apresentada à Liga das Escolas de Samba de São Fidélis (Liesf). “Tivemos algumas reuniões com o presidente da Liga. Agora, estamos aguardando para ver se eles vão querer e se até lá nossa situação financeira estará melhor”, concluiu.

Folha da Manhã

Nenhum comentário:

Postar um comentário