domingo, 19 de novembro de 2017

De morador de rua a banqueiro



Por ALOYSIO BALBI
Imagina uma pessoa que em Campos foi cortador de cana, vendedor de amendoim, ajudante de pedreiro e morador de rua? Agora imagina que essa mesma pessoa sem ganhar na loteria e sem ser político se tornou milionário e que agora é um banqueiro? Parece ficção, mas essa pessoa existe e tem nome e sobrenome: David Portes. Como diriam os antigos, nos idos de 1986, desempregado e com o equivalente a R$ 12 no bolso, viu Campos pelo retrovisor do carro, que não tinha, e mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro onde começou a vender balas no Centro. No Rio, a capital das balas perdidas a sorte atingiu David à queima-roupa e nunca mais parou de negociar.
Na verdade não se pode definir isso como sorte. Grandes ideias sempre encontram homens que a procuram, e David na vida dura dos dias seus pelas ruas de Campos vislumbrou uma avenida de prosperidade. Não foi uma obra de empreiteiro superfaturada. Ele teve que pavimentar essa avenida com ideias, a partir daquela dúzia de reais que tinha no bolso quando saiu de Campos e ele concluiu que a partir desta quantia havia muitos modos de ganhar dinheiro, mas que existe uma só maneira de gastá-lo: gastar menos do que se ganha. Administrar dinheiro não é fácil. Administrar a falta dele é ainda mais difícil.
Na verdade, David Portes vivia entre uma fina linha da miséria e da impossibilidade. Ele apagou essa linha. Com suas ideias criativas conseguiu atrair uma grande clientela em uma banca de camelô. Primeiro, a bala, depois a banca e agora um banco. Hoje, aos 57 anos, David Portes é dono das empresas Talk About, D!Marketing, AD POP e Investicomm, além de rodar o planeta dando palestras sobre a sua história de superação. O banco virtual Umclub, lançado no início deste ano, deve ser mais um empreendimento de sucesso deste ex-morador de rua.
— Não tem taxa de assinatura e nem anuidade. E, além de ter cartão gratuito, o correntista vai participar de um clube de vantagens. Já temos 300 estabelecimentos cadastrados em nossa rede credenciada, que vai oferecer descontos em compras — disse ele.
David Portes colecionou ideias que lhe renderam alguns apelidos como “Executivo da Calçada”, “guru do marketing”, “encantador de clientes”, “empresário dos doces”. Tentar definir David é como tentar morder os próprios dentes. Mas ele pode ser considerado um dos mais destacados exemplos de superação. Hoje, milionário, ele não concorda que é uma exceção à regra. Acha que existem muitos Davids Portes dormindo sobre as marquises. O que eles precisam é acordar.
O homem que cursou até a sétima série é referência nas escolas de marketing e requisitado para palestras e seminários em todo o Brasil e no exterior. Seu público é formado por profissionais de vendas e executivos de grandes empresas como Unilever, Coca-Cola, Nestlé, entre outras. Se saiu de Campos com o equivalente hoje a R$ 12, uma palestra sua vale R$ 12 mil no mínimo. E cada uma delas dura exatos 60 minutos. R$ 12 mil por hora, se estiver disposto a falar o dia inteiro.
Diz que a chave do seu sucesso é “trabalhar duro, persistir e nunca desistir”. O homem, que no Rio de Janeiro chegou a ser despejado de um barraco na favela da Rocinha, hoje, mora em um dos metros quadrados mais caros do país. E não é com esse metro de solo nobre que se pode medir o sucesso deste milionário. No momento de maior adversidade ele viu uma oportunidade de negócio, como sempre conta em suas palestras.
Passou amargamente um ano vendendo doces no Rio até montar uma banca de rua e aí apostou em diferentes estratégias para atrair e fidelizar seus clientes. Entre as ações, estava a distribuição de brindes, serviço de delivery de doces e até um call center, como ele mesmo diz. “Na época, os celulares eram caros, então, eu usava 3 orelhões que ficavam perto da banca para receber os pedidos”, conta ele.
Um dos seus slogans mais famosos na época era “Já que doces causam cáries, fiz uma parceria com um consultório dentário. ‘A Banca do David suja, mas depois manda limpar’. Em certo momento, ao perceber que as vendas tinham caído, David criou uma ação de marketing totalmente diferente. Em parceria com um consultório dentário, passou a oferecer a seus clientes limpeza dental com flúor. O slogan era “A Banca do David suja, mas depois manda limpar”.
Ele também fazia coisas bem simples, como dar rosas para as clientes no Dia da Mulher, até ações maiores, como sortear viagens para Miami com acompanhante com tudo pago, através de uma parceria com uma companhia aérea. Eu aproveitava assuntos que estivessem sendo falados no momento, como quando teve um grande surto de dengue, em que fez uma campanha de conscientização.
— Tinham vários slogans. Quando passava um cliente sorrindo, tinha um sino na banca que eu balançava e dizia: “Com esse sorriso o sino fez dindon, e quando o sino faz dindon você ganha um bombom”. Ele chegava na sua empresa e fazia o marketing boca a boca, no dia seguinte passava um monte de gente rindo lá na frente da banca. Uma vez eu fiz uma promoção onde sorteava um final de semana para um hotel na montanha (região serrana do Rio) e para chamar atenção dos meus clientes na banca criei o slogan: “David não é Maomé, mas leva você até a montanha” — disse
Uma lição de vida — David Portes foi descoberto pelo empresário e professor, Sr. José Carlos Teixeira Moreira, do Instituto de Marketing Industrial no ano 2000. David recebeu o convite do Instituto para palestrar para um grupo composto pelos 180 maiores empresários do Brasil. Depois desta primeira palestra, seu nome ficou perpetuado no cenário empresarial.
Em suas palestras no Brasil e no exterior, David, utiliza-se do método chamado “Poder e Clareza”, para incentivar as pessoas a enfrentarem suas limitações pessoais e profissionais, mostrando que possível superá-las com atitude e perseverança.
A experiência de David Portes como ex- camelô, vendedor porta a porta, empreendedor serial, aliada à habilidade de comunicação simples e objetiva, somados a estudos aprofundados em técnicas e comportamento dos vendedores, transformaram a sua palestra motivacional em uma das mais requisitadas do Brasil. Indicado para equipes comerciais e gestores de venda!
Em 2003, lançou o seu primeiro livro: “David, Uma lição de Vida”, baseado na sua bibliografia. Reunindo histórias divertidas, compilando experiências em sua banca de doces. Já o segundo livro, foi lançado em 2015 , sob o título “ O Segredo do Sucesso”, reunindo 60 dicas valiosas para quem deseja alcançar êxito na profissão e nos negócios. Com uma linguagem simples e objetiva, o autor compartilha um conhecimento profundo sobre o atendimento humanizado e ações de marketing inovadora para atrair, fidelizar e encantar, gerando multiplicadores. David Portes comenta, “estou escrevendo um novo livro focado no conceito de ‘o monge e o executivo’, aplicando o conceito 3D (Diferente, Divertido e Dinâmico), onde brinco que o novo livro é uma alusão aos 4Ps escrito pelo Americano Philip Kotler”.
David é considerado um gênio do marketing mundial. Autodidata, jamais frequentou um cursinho ou uma faculdade. Aliás, só estudou até a 7ª série, mas suas estratégias são tão eficazes que o mundo empresarial já há muito tempo vem se rendendo ao carioca marketeiro. Faça como milhares de empresas, contrate David Portes para o seu evento!
“A venda tem que ser transparente. Quando o vendedor é bom, o cliente vai atrás dele, onde quer que ele esteja.”
“Por mais que o tempo estivesse ruim, ou que acontecesse algum problema, eu sempre tive fé no que eu fazia e sempre me dedicava muito.”

Peneira da Escolinha de Futebol dos Guerreirinhos de Itaperuna - RJ



Caminhão da Sorte realizará sorteios das loterias em Italva - RJ



O Caminhão da Sorte da Caixa Econômica Federal chega ao município de Italva, Noroeste Fluminense, nesta segunda-feira (20). A unidade móvel, onde serão realizados os sorteios das Loterias da Caixa, ficará na cidade até sábado (25), na Avenida Herivelton Alves Marinho – São Caetano.
Durante toda a semana, a população poderá acompanhar os sorteios, inclusive acionando o dispositivo que libera as bolas numeradas, e ainda validar os resultados, na hora, como auditoria popular.
“Os sorteios são realizados de forma transparente, com lisura, diretamente do Caminhão da Sorte, e a população está convidada a conhecer e acompanhar todo o processo”, ressalta o superintendente regional da Caixa, Denis Matias.
Rádio Natividade com informações da Folha1
Imagem: reprodução da Internet | Google (ilustração)

Miguel Pereira, RJ, recebe festival gastronômico que é sucesso pelo interior do Estado

O evento, com entrada gratuita, será realizado de 01 a 03 de dezembro na Praça da Estação

Chegou a vez de o município de Miguel Pereira, RJ, receber o festival gastronômico que tem feito enorme sucesso pelo interior do Estado do Rio de Janeiro. Nos últimos meses, os festivais ‘Sabores do Noroeste’ em Itaperuna; ‘Sabores de Bom Jesus do Itabapoana’, na região Noroeste Fluminense; ‘Pádua Gourmet’, em Santo Antônio de Pádua; e ‘Sabores da Barra’, no balneário de Atafona; tornaram-se um grande sucesso, inovando a maneira de fomentar a economia local, privilegiando a gastronomia regional, levando diversão, entretenimento e lazer, para esses municípios, além de gerar postos de trabalho temporários.
Essa forma de negócio tem se destacado, não só pelos diversificados pratos deliciosos (vale ressaltar), mas, também, pela enorme estrutura montada privilegiando a sofisticação, glamour, organização, múltiplos espaços, limpeza (em todos os ambientes) e o requinte de um lugar planejado em seus mínimos detalhes, buscando acolher bem a todos os visitantes. Outro fator que merece destaque é a visibilidade midiática em torno do evento, colaborando consideravelmente com os comerciantes e demais expositores.
O ‘Festival Gastronômico Miguel Pereira’ será realizado de 01 a 03 de dezembro, na Praça da Estação. Na sexta-feira, 01, a abertura oficial acontece às 18h funcionando até às 02h; no sábado, 02, a abertura acontece ao meio dia e vai até às 02h da manhã. E no último dia, 03, funciona das 12h às 21h.
PREÇOS ACESSÍVEIS E ‘PRATO FESTIVAL’ A R$ 20
O ‘prato festival’, que cada expositor irá apresentar, custará R$ 20. Também serão comercializadas outras delícias mais, com preços variados. Em Miguel Pereira os visitantes ainda encontrarão inúmeras atrações, como Feira dos Produtores da Região, oficinas de gastronomia, food trucks e food bikes, espaço exclusivo para crianças, apresentações musicais e muito mais.
No Espaço Gastronômico Banco Rio de Alimentos, haverá oficinas de culinária evidenciando a prática de aproveitamento integral dos alimentos. Na Área Infantil Sesc, muitos brinquedos, gincanas, jogos e atividades voltadas para o lazer das crianças, que poderão curtir um espaço pensado e planejado para agradar os pequeninos. Já no Palco Sesc, músicos regionais apresentando sempre o melhor da MPB, Samba, Pop e Rock (nacional e internacional).
FEIRA DOS PRODUTORES DA REGIÃO
A Feira dos Produtores da Região é um espaço organizado para evidenciar os produtores e produtos locais, uma oportunidade ímpar para que o homem do campo possa comercializar seus produtos, trocar informações com outros produtores, dentre outros benefícios.
E, os produtos em exposição, são de dar água na boca, como café e cervejas artesanais, mel, queijo, cachaça, doces, geleias, embutidos, defumados, dentre outros, mostrando o valor das delícias da agroindústria familiar do Estado do Rio de Janeiro. Essas iguarias são produzidas por trabalhadores que recebem incentivos do Programa Prosperar, da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento.
O ‘Festival Gastronômico Miguel Pereira’ é um Oferecimento do Sistema Fecomércio RJ – Sesc | Senac. Apoio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento; Sicomércio Miguel Pereira e Paty do Alferes; e Prefeitura de Miguel Pereira. Promoção e organização da B2B Empreendimentos.
Informação: Eusébio Dornellas | Agência Comuniqque – www.comuniqque.com


sexta-feira, 17 de novembro de 2017

43% dos consumidores pretende comprar na Black Friday



Mesmo com a Black Friday, cerca de 39% das pessoas pretende gastar menos com os produtos em relação ao ano passado. Valor médio das compras deve ter queda de R$ 378 em relação ao ano passado. E mais ou menos 63% esperam descontos acima de 40% – smartphones e roupas devem ser os produtos mais comprados.

A Black Friday é relativamente nova no Brasil, mas não passa despercebida pelos consumidores brasileiros e ganha cada vez mais força no calendário do varejo. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 39% dos consumidores têm a intenção de fazer compras na Black Friday de 2017, que será no dia 24 de novembro e 43% também pretendem comprar, dependendo dos preços e descontos ofertados.

Entre os que pretendem comprar este ano, 72% consideram a data um momento oportuno para adquirir algo que estejam precisando com preços baixos. Já entre os que não pretendem comprar no evento, os principais motivos são falta de dinheiro (23%), considerar que o momento econômico não é favorável para compras (18%) e a crença de que a promoção anunciada não seja real (16%).
Em 2016, 39% fizeram compras na Black Friday. Em relação ao ano passado, 31% pretendem comprar mais produtos no evento deste ano e 27% comprar menos. Já 24% pretendem gastar mais e 39% gastar menos.
Entre os que pretendem gastar mais, os principais motivos são ter mais produtos para comprar (37%), acreditar que os produtos estarão com um preço bom e que vale a pena aproveitar a promoção (32%) e ter economizado ao longo do ano para poder gastar (27%). Entre os que pretendem gastar menos, os principais motivos são o orçamento apertado (23%), ter outras prioridades (16%) e a vontade de economizar (16%).
Em média, os consumidores pretendem comprar três produtos e gastar cerca de R$ 1.047,80 – uma queda de R$ 378,32 em relação a 2016, mas 56% ainda não definiram quantos produtos. Seis em cada dez consumidores (63%) esperam descontos acima de 40%, sendo a média geral de 47% de desconto.
Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, se a compra é necessária e o consumidor tem perspectiva de conseguir um bom desconto, vale a pena esperar. “É bom que os consumidores saibam aproveitar verdadeiras oportunidades e busquem pelo preço mais baixo. O tamanho do desconto, no entanto, depende de que se faça pesquisa desde já, anotando e comparando os resultados da busca. É um exercício que exige paciência e certa disciplina”, afirma.
Smartphones e roupas serão os produtos mais comprados
A pesquisa identificou que as os celulares e smartphones (29%), roupas (28%) e os eletrodomésticos (25%) serão os produtos mais comprados na Black Friday deste ano. Comparando com a intenção de compras de 2016, as roupas perderam espaço (37% no ano passado).
A forma de pagamento mais utilizada será o cartão de crédito parcelado (42%) e o dinheiro (26%). Entre os pagamentos parcelados, a média de parcelas será de seis prestações. A economista, no entanto, faz ressalvas importantes aos compradores. “De parte do consumidor, a oportunidade do desconto deve ser usada com sabedoria, para que não se caia na armadilha das promoções. Caso não haja um bom controle do orçamento, é alto o risco de a pessoa gerar uma bola de neve de dívidas”, afirma.
Prova disso é que 16% dos consumidores que têm a intenção de comprar na Black Friday admitiram gastar mais do que pode nas compras durante as promoções, já que não resistem às oportunidades e 7% pretendem deixar de pagar alguma conta para poder comprar na Black Friday. Cerca de 26% estão atualmente com alguma conta em atraso, sendo que desses, 73% estão com o nome sujo no momento.
Sites lideram entre os locais de compra
A pesquisa também investigou quais são os principais locais que os brasileiros farão as compras e os mais mencionados são os sites de lojas nacionais (56%) e o shopping center (23%) e entre os principais fatores de influência na compra estão os preços (51%), o frete grátis (34%) e a qualidade dos produtos (27%).
De acordo com o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, promover ofertas reais pode fazer a diferença na hora das vendas nessa época do ano. “As lojas que praticarem descontos verdadeiros acabarão se destacando diante da concorrência”, afirma. “Não apenas nas lojas virtuais, que já estão consolidadas neste evento, mas promoções nos shoppings também ganharam seu espaço e os lojistas que quiserem aumentar o público devem pensar em estratégias de marketing não apenas online.”
Em relação aos que compram na internet, 46% dão preferência a sites de lojas e marcas conhecidas e 31% aos sites que disponibilizam frete grátis. A grande maioria (94%) afirma fazer pesquisa de preço antes das compras e, destes, 41% pretendem utilizar sites e aplicativos de comparação de preço e 41% buscam visitar os sites de lojas que tem o costume de comprar. A maioria dos entrevistados (88%) também afirma ter o costume de buscar informações e dicas de como fazer boas compras para aproveitar as promoções, principalmente pela internet (81%).
Quatro em cada dez consumidores (40%) pretendem fazer suas compras apenas no dia da Black Friday, 26% comprarão ao longo do mês de novembro, 7% planejam madrugar na porta das lojas físicas para garantir as compras, enquanto 33% pretendem passar a madrugada na internet para garantir a compra dos itens desejados. E um alerta às empresas: 61% pretendem ficar conectados no período de trabalho para aproveitar as melhores ofertas.
33% compraram mais do que o previsto em 2016
Perguntados sobre as compras na Black Friday de 2016, apenas 11% tiveram algum tipo de problema com as compras, sendo o mais citado a entrega fora do prazo (5%). Entre estes, a maioria (51%) conseguiu solucionar o problema, principalmente por meio da troca do produto (12%).
Em uma escala de 1 a 10, a nota média de satisfação com a Black Friday do ano passado foi de 7,37 – abaixo do 8,5 de 2015. 85% consideram que valeu a pena a compra na Black Friday de 2016 e 74% consideram que o percentual de desconto anunciado foi real no momento da compra.
Sete em cada dez consumidores (67%) afirmam ter planejado as compras realizadas no ano passado, mas 33% compraram mais do que o previsto e 5% ficaram com o nome sujo por causa de compras feitas.
Metodologia
O SPC Brasil entrevistou 1.616 consumidores de ambos os sexos, acima de 18 anos e de todas as classes sociais nas 27 capitais brasileiras para identificar o percentual de pessoas que pretendem comprar na Black Friday. Em um segundo momento, a partir de uma amostra de 642 casos, foi investigado de forma detalhada o comportamento do consumo, gerando um intervalo de confiança de 95%.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Após Justiça determinar prisão, Picciani se entrega à PF





O presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani, se entregou na tarde desta quinta-feira (16) na sede da Polícia Federal, na Praça Mauá. Ele chegou sozinho e entrou pela frente do prédio. Quem também se entregou nesta tarde, foi o deputado Paulo Melo. Picciani, Melo e o deputado Edson Albertassi, todos do PMDB, tiveram, por unanimidade, a prisão determinada pelo Tribunal Regional Federal da 2ª região (TRF-2) determinou nesta quinta. Eles foram alvos da Operação Cadeia Velha na terça-feira (14). Com a decisão, o mandado de prisão foi expedido e a Alerj e o Ministério Público Federal (MPF) serão notificados.

Após receber a notificação, a Alerj vai convocar uma sessão extraordinária para avaliar a determinação. Segundo deputados, a sessão deve ocorrer às 15h de sexta-feira. No entanto, é possível que seja convocada ainda nesta quinta.

A avaliação do Legislativo sobre uma determinação de prisão contra um parlamentar está prevista na Constituição. Em novembro de 2015, o Senado confirmou a prisão do então senador Delcídio Amaral (MS), flagrado elaborando um plano de fuga para o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Caso a Alerj opte por reverter a prisão, os três deputados serão soltos.

Os desembargadores do TRF-2 determinaram, também, o afastamento de Picciani, Melo e Albertassi das funções legislativas. Porém, o tribunal decidiu que apenas a prisão pode ser submetida à Alerj — o afastamento, não. Assim, mesmo que a Alerj derrube a prisão, os parlamentres continuariam afastados do mandato.

O afastamento é uma medida cautelar. Em outubro deste ano, o Supremo Tribunal Federal decidiu que medidas cautelares contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) precisariam ser submetidas ao plenário do Senado. Na ocasião, os senadores devolveram o mandato à Aécio. A decisão do STF produziu efeitos em casas legislativas do país.

Na hipótese de a Alerj reverter o afastamento, o Ministério Público Federal deve recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). O procurador Carlos Aguiar, um dos cinco integrantes da força-tarefa do MPF a atuar no caso, já afirmou a intenção de garantir o afastamento dos deputados com recursos às instâncias superiores do Judiciário.

Um eventual pedido do MPF a ser encaminhado ao STJ precisaria ser referendado por um procurador que atua na corte, que ainda não está definido.


Fonte: O Globo