quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Cabral pagou R$ 1 milhão por joias para celebrar 10 anos de casamento

Procuradoria da República denunciou o ex-governador por quadrilha, corrupção e lavagem de dinheiro



O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) pagou R$ 1 milhão por um conjunto de brincos de ouro amarelo 18k com rubi e de anel de ouro amarelo 18k com rubi na joalheria H.Stern. As joias foram compradas para celebrar os dez anos de casamento com a advogada Adriana Ancelmo, segundo a denúncia da Operação Calicute, em abril de 2014, mês que o peemedebista deixou o governo do Rio.

Segundo a investigação, o brinco custou R$ 400 mil e o anel, R$ 600 mil.

"Sérgio Cabral gastou a espantosa quantia de R$ 1 milhão de dinheiro oriundo de corrupção e outros ilícitos para presentear a esposa Adriana Ancelmo com um conjunto de brincos e anel de rubis, no mês de abril de 2014, quando completaram dez anos de matrimônio", aponta a denúncia da Procuradoria contra o ex-governador do Rio.

A Procuradoria da República afirma que Sérgio Cabral comprou "sem emissão de notas fiscais", ao todo, R$ 1,772 milhão na H.Stern. Adriana Ancelmo, segundo a Calicute, adquiriu R$ 520 mil "usando os rendimentos gerados pela organização criminosa que integra, especialmente com a finalidade de ocultar a origem espúria de valores obtidos com a corrupção do marido, o denunciado Sérgio Cabral".

Sérgio Cabral está preso desde 17 de novembro quando foi capturado pela Calicute. O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal, do Rio, mandou prender nesta terça-feira, 6, a advogada Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral.

A Procuradoria da República denunciou o ex-governador do Rio por quadrilha corrupção e lavagem de dinheiro. O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, recebeu a denúncia contra o ex-governador, 12 aliados seus, inclusive sua mulher Adriana Ancelmo e ex-secretários de Estado, que em seus dois mandatos ocuparam cadeiras estratégicas que teriam sido usadas para movimentar o esquema de arrecadação ilícita de recursos de grandes obras do Estado contratadas junto a empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato.

Segundo a denúncia, Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo escolhiam "suas joias preferidas em casa". Apontados como operadores financeiros do esquema, Carlos Miranda e Carlos Bezerra compareciam à sede da joalheria H.Stern "para entregar o dinheiro correspondente às peças adquiridas, as quais eram vendidas invariavelmente sem emissão de notas fiscais".

A acusação aponta que Carlos Bezerra esteve seis vezes na sede da H.Stern, em Ipanema, entre 2014 e 2016, "todas elas igualmente pelo tempo compatível somente com a realização do acerto financeiro".

fonte: Estadão Conteudo

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Trabalhador terá de contribuir por 49 anos para receber benefício integral


As proposta do governo federal para a Reforma da Previdência prevê que o trabalhador terá que contribuir por 49 anos se quiser receber 100% da aposentadoria. Atualmente, o teto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é de R$ 5.189,82, que é reajustado anualmente pelo INPC. Os cálculos são do secretário da Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano.

Segundo o secretário da Previdência, Marcelo Caetano, com as regras previstas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma, será possível economizar entre R$ 5 bilhões e R$7 bilhões a cada ano apenas com o Regime Próprio de Servidores Civis. Além disso - cumprindo-se a expectativa do governo federal de aprovar a reforma ainda em 2017, bem como aprovar também uma lei específica com novas regras para o Benefício da Prestação Continuada (BPC) - poderão ser economizados outros R$ 678 bilhões entre 2018 e 2027.

“Nossa expectativa é de que o Congresso aprove [a reforma] em 2017 para garantir [os benefícios para os cofres públicos]. Só a reforma pelo BPC para o INSS, a economia será de R$ 4,8 bilhões em 2018, valor que cresce para R$ 14,6 em 2019. Em 2020, será de R$ 26,7 bilhões; e em 2021 será de R$ 39,7 bilhões. De 2018 a 2027, a economia seria algo em torno de R$ 678 bilhões”, disse o secretário. “Além disso, com regime próprio de servidores civis, a economia será de R$ 5 bilhões a 7 bilhões por ano”, acrescentou.
O Benefício da Prestação Continuada (BPC) equivale a um salário mínimo mensal que é concedido a idoso com mais de 65 anos ou pessoas com deficiência física, mental, intelectual ou sensorial de longo prazo.

A ideia do governo é fazer com que a renda de todos os entes da família passem a ser consideradas para o cálculo, sem as exceções previstas na lei atual – caso, por exemplo da renda obtida por pessoas com deficiências. Nas regras atuais, para receber o BPC, a renda per capita da família tem de ser inferior a um quarto do salário mínimo.

Pensões

As pensões pagas a viúvas e viúvos poderão, eventualmente, ser menores do que o salário mínimo, segundo o secretário.

"Nas pensões por morte, o valor pago [à viúva ou viúvo] será de 50% da aposentadoria, acrescido de um adicional de 10% por dependente. Essa cota não será mais revertida para a viúva [ou viúvo] quando o filho completar 18 anos de idade", disse, ao ressaltar que as novas regras só valerão após serem promulgadas, não abrangendo as pensões que já são pagas. “Entre nossas premissas está a de não mexer com direitos já adquiridos”, acrescentou.

Idade mínima

As novas regras estabelecem idade mínima de 65 anos para homens e mulheres, segurados do INSS, servidores públicos, trabalhadores rurais e urbanos poderem pedir a aposentadoria, assim como parlamentares e detentores de cargos eletivos. O tempo mínimo de contribuição será de 25 anos.

As regras valerão para homens com idade inferior a 50 anos e mulheres com menos de 45 anos. Para os contribuintes com idade superio, a proposta prevê a aplicação de um acréscimo de 50% sobre o tempo que restava para a aposentadoria, tendo como base a regra antiga.

“Digamos que homem de 52 anos, com 34 de contribuição, com a regra de transição aplica-se 50% do tempo. Como o tempo de contribuição era 35 anos, o tempo que falta passa de 1 ano para 1 ano e meio”, disse o secretário.

Congresso Nacional

Ontem (5) ao deixarem a reunião no Palácio do Planalto em que debateram a reforma, sindicalistas disseram que, na forma como foi apresentada, a reforma não será aprovada no Congresso Nacional. Eles reclamaram da idade prevista na regra de transição, que deveria ser feita de forma mais suave.

Questionado se o governo está preparado para mudanças da reforma no Congresso, Caetano disse que as questões políticas fogem de seu controle, mas defendeu que a reforma é necessária ou o país terá de encarar problemas previdenciárias no futuro.

“O Congresso é fundamental nesse aspecto. É o local do diálogo social. No ambiente democrático seu papel é fundamental. Mas essa reforma foi feita com visão de Estado. Não de governo. Temos uma visão de longo prazo. Se começar a abrir mão de muita coisa vai ter que fazer uma nova reforma lá na frente. A reforma tem que ser duradoura. Queremos evitar não ter como pagar a Previdência, como acontece em vários estados. Se a reforma não for feita, daqui a 2 anos teremos que fazer nova entrevista para explicar uma nova reforma”, disse o secretário, em entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

Com informações do JB

SECRETÁRIO DE OBRAS DE ITALVA DESMENTE VEREADOR!!


O abastecimento de água do bairro Alto da Boa vista foi interrompido nos últimos dias devido à bomba ter queimado. A Empresa que faz o conserto da mesma não quis fazer os serviços de recuperação da bomba, pois  tinha muitos pagamentos em atraso a receber da Prefeitura.

Segundo o Secretário de Obras Luiz Antônio Bernardino os pagamentos foram realizados pela Prefeitura e a Bomba foi consertada e os serviços de abastecimentos foram realizados pela Secretaria.

Antes mesmo do conserto da Bomba, o Secretário de Obras e funcionários abasteceram mais 50 casas com o caminhão Pipa.

O Secretário Luiz Antônio Bernardino, desmente um Vereador que noticiou inverdades dizendo que ele (Vereador) efetuou o pagamento do conserto da Bomba.

O Secretário deixa bem claro que todos os pagamento que  foram realizados à Firma foram efetuados pela PREFEITURA  e não por este Vereador Mentiroso, que usou deste acontecimento para tirar proveito próprio.

Vereador este  de 34 faltas que foi salvo da cassação pelos companheiros da Câmara. Vereador deveria estar fazendo Projetos e fiscalizando o Executivo fica se envolvendo em trabalhos de Secretários que não  diz respeito ao Vereador.

Parabéns Secretário pelo trabalho realizado em favor do  povo de Italva!













Prefeito eleito de Osasco é alvo de prisão preventiva na Operação Caça-Fantasmas

Rogério Lins (PTN) não foi localizado pela polícia. Onze vereadores da cidade foram presos. No total, 14 mandados de prisão foram expedidos


Por G1 SP



Ministério Público do Estado de São Paulo deflagrou mais uma fase da operação Caça-Fantasmas, na manhã desta terça-feira (16), em Osasco, na Grande São Paulo. Foi pedida a prisão preventiva do prefeito eleito de Osasco, o vereador Rogério Lins (PTN).
Lins não foi localizado na sua residência pela manhã porque, segundo a polícia, ele estaria viajando.
Outros onze vereadores da cidade foram presos. No total, foram expedidos 14 mandados de prisão contra vereadores de Osasco.
A operação foi deflagrada em agosto de 2015 com o objetivo de desestruturar um esquema de funcionários fantasmas e captação de dinheiro de parte do salário dos assessores dos vereadores.
Desde o início da operação, 73 mandados de busca foram cumpridos. A denúncia foi oferecida nesta semana contra 217 pessoas, entre vereadores, assessores e fantasmas.
Mais de 200 pessoas foram afastadas de seus cargos cautelarmente pela Justiça, a pedido do Ministério Público de São Paulo. Segundo estimativa do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Osasco, coordenado pelo promotor de Justiça Gustavo Albano, o esquema desviou R$ 21 milhões.
Prefeito Eleito
Rogério Lins (PTN) foi eleito prefeito de Osasco (SP) para os próximos quatro anos. Com 91% das seções apuradas, Lins teve 218.779 votos (61,21%). O atual prefeito Jorge Lapas (PDT) teve 138.625 votos (ou 38,79%).
Rogério Lins (PTN), de 38 anos, disse após saber de sua vitória que irá "tocar a Prefeitura" como fez com suas empresas. "Eu tive duas empresas na cidade, foram muito bem sucedidas". Lins ainda disse que quer "respeitar o dinheiro público da nossa população, é tolerância zero com a corrupção".

Lins, que derrotou o atual prefeito que se disputava a reeleição, Jorge Lapas, disse que irá rever todos os contratos vigentes. "Se não tiver prazo, qualidade e bom preço não vai trabalhar na cidade enquanto eu tiver administrando. Então com isso vai sobrar dinheiro pra gente gastar no que é prioridade".
Lins foi vereador no período de 2009 até 2012 e reeleito em 2013 para o mesmo cargo. Ele também já foi secretário da Indústria, Comércio e Abastecimento de Osasco e diretor de Esportes.


segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Chapecoense é oficialmente declarada campeã da Copa Sul-Americana de 2016

  Giba Pace Thomaz/Chapecoense
Clube garante ao menos US$ 4,8 mi em premiações











A Conmebol definiu nesta segunda-feira (05/12) que a Chapecoense é a campeã da edição de 2016 da Copa Sul-Americana. A decisão já estava tomada desde a última quinta-feira, como revelado pelo GloboEsporte.com, e foi oficializada em reunião virtual do Conselho da entidade – que tem representantes dos 10 países sul-americanos.
A Chape, que na semana passada perdeu jogadores, comissão técnica e dirigentes na tragédia da Colômbia, agora tem vaga garantida na Recopa Sul-Americana de 2017 (que disputará contra o Atlético Nacional de Medellín em data a ser definida) e na fase de grupos da Taça Libertadores do ano que vem.
A decisão da Conmebol reforça as finanças da Chape. Pelo título da Sul-Americana, o clube catarinense vai receber premiação de US$ 2 milhões. Pela vaga na Recopa, mais US$ 1 milhão. A participação na Libertadores renderá ainda mais US$ 600 mil por jogo como mandante. Como fará ao menos três partidas na fase de grupos, o time catarinense já garantiu US$ 1,8 milhão.

Responsável por provedor de internet é preso por furto de energia em Italva-RJ


Imagem Ilustrativa
O responsável por um dos provedores de acesso à internet que presta serviço no município de Italva foi preso em flagrante, sob a acusação de furto de energia elétrica da rede da empresa Ampla. O caso estava sendo investigado pela 148ª DP de Italva desde do mês de junho deste ano, por determinação do Ministério Público, que já havia recebido denúncia da concessionária, que alega prejuízo da ordem de R$ 12 mil, com os “gato”.

O desvio de energia teria sido atestado por peritos do Posto de Polícia Técnica Científica (PRPTC/Itaperuna), que confirmaram a fraude. Dois representantes do provedor que tem sede em Itaperuna foram conduzidos até a distrital, onde um deles, D.S.B., de 31 anos, acabou autuado, mas pagou fiança e responderá em liberdade. Um terceiro envolvido não teria sido localizado.

Fonte:  Rádio Natividade

domingo, 4 de dezembro de 2016

A ascensão milionária de Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral

A joia de Cabral: Adriana Ancelmo conheceu o ex-governador na Alerj


De um prédio de classe média baixa em Copacabana a hotéis cinco estrelas em Paris. Antes de se mudar para o Leblon e passar os fins de semana numa mansão em Mangaratiba, Adriana Ancelmo, de 46 anos, teve uma vida bem modesta — muito menos reluzente do que a revelada, no mês passado, pela Operação Calicute.
No fim dos anos 80, vivia num edifício de cinco andares na Rua Ministro Viveiros de Castro. Estudava a poucos metros dali, na Escola Estadual Infante Dom Henrique. Foi uma estudante mediana e colecionava notas C, bem diferente da aluna brilhante que Régis Fichtner, ex-secretário de Sérgio Cabral, diz ter encontrado no curso de Direito da PUC.
— Ela passou por uma escola pública e não se sensibilizou com a realidade que vivemos aqui? — questiona uma funcionária que, com medo, prefere não se identificar.
Adriana estudou na Escola Estadual Infante Dom Henrique, em Copacabana
Adriana estudou na Escola Estadual Infante Dom Henrique, em Copacabana Foto: Carolina Heringer / Extra
Antes, a ex-primeira-dama do Rio estudou na Escola Municipal Roma, também em Copacabana, onde cursou a 2ª, a 3ª e a 4ª série. Dos 11 aos 16 anos, chegou a viver com a família em Goiânia, capital de Goiás, onde também estudou em escolas públicas.
Nascida em São Paulo e filha de pais separados, Adriana e a irmã Nusia, que pediu exoneração na semana passada do Tribunal de Contas do Estado, foram criadas pela mãe, Eleusa. Nos pilotis da PUC, na Gávea, a advogada conseguiu seu passaporte para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Na universidade conheceu Régis Fichtner, que foi seu professor. Procurador-geral da Alerj, em 2001, levou Adriana para ser sua assistente.
Cabral e Adriana num jantar em Paris
Cabral e Adriana num jantar em Paris Foto: Reprodução
No mesmo ano, na Assembleia, num encontro “fortuito” no elevador, conheceu Cabral. Ambos casados, separaram-se para ficar juntos em 2002. Hoje, o casal tem dois filhos. Em casa, quem sempre deu as ordens foi Adriana, chamada por Cabral de “Riqueza”. A ex-primeira-dama é conhecida por seu temperamento forte e é classificada por alguns como autoritária.
Adriana sempre optou por aparecer pouco. Não gostava de ir às agendas de Cabral. Quando aparecia, era de poucos sorrisos. Adriana é vista por assessores e secretários com certa antipatia. O ciúme que sentia do marido era capaz de tornar o semblante da advogada ainda mais sisudo. Era comum implicar com mulheres que trabalhavam com o companheiro. Brincalhão, Cabral mantinha-se mais discreto quando estava na companhia da mulher.
— Ela só falava com os secretários do grupo mais próximo do Cabral, como o Wilson Carlos e o Sérgio Côrtes — revela uma fonte que fez parte do secretariado de Cabral, mas prefere não se identificar. (Colaborou Marina Navarro Lins)
Prédio onde Adriana Ancelmo morou em Copacabana
Prédio onde Adriana Ancelmo morou em Copacabana Foto: Carolina Heringer / Extra
Patrimônio
O patrimônio de Adriana Ancelmo multiplicou-se por dez nos dois mandatos do marido — entre 2007 e 2014. O crescimento coincide com o aumento na receita de seu escritório de advocacia — Ancelmo Advogados — e também dos clientes.
Escritório
O escritório ocupa todo um andar — o 14º — de um prédio na Avenida Rio Branco, no Centro do Rio. No meio jurídico, o nome da ex-primeira-dama era totalmente desconhecido até o marido se tornar governador.
Sociedade
Até meados de 2010, Adriana era sócia do ex-marido, Sérgio Coelho, no Coelho, Ancelmo e Dourado Advogados.
O casal em frente ao prédio onde moram, no Leblob
O casal em frente ao prédio onde moram, no Leblob Foto: Márcia Foletto/01.10.2006 / Agência O Globo
Luxo
A vida luxuosa da advogada não era segredo para quem convivia com ela. No Werner Maison, em Ipanema, costuma ser atendida pelo próprio dono da rede, Rudi Werner e seus assistentes. Um corte de cabelo do profissional sai por R$ 428.
Aplique
Adriana costuma se arrumar para festas com Rudi. Numa ocasião, pediu que comprassem um aplique de R$ 3 mil para colocar no cabelo. Usou apenas uma vez, e, no dia seguinte, deu o assessório a uma assistente de Werner. O gesto surpreendeu os funcionários do salão.
Adriana Ancelmo e a mulher do ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes, acompanhadas de mais duas amigas, exibem os sapatos Christian Louboutin
Adriana Ancelmo e a mulher do ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes, acompanhadas de mais duas amigas, exibem os sapatos Christian Louboutin Foto: Reprodução
Sumida
A ex-primeira-dama não tem sido vista pelas ruas do Leblon. “Deve estar quietinha em casa agora”, diz um jornaleiro da região. Na semana passada, ela esteve em Brasília.
Silêncio
Adriana é suspeita de lavar dinheiro do esquema de desvio de verbas de obras do governo estadual. Há suspeitas de que o dinheiro tenha sido lavado com contratos de seu escritório. O extra procurou Adriana em seu escritório e pediu uma entrevista. A pedido de uma advogada, foram encaminhadas perguntas para um endereço de e-mail, mas a mensagem não foi respondida até o fechamento da edição.


Fonte O Extra